Venezuela aguarda manifestação do Supremo sobre Chávez

A Venezuela aguarda o pronunciamento do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) sobre o pedido do governo de Caracas para adiar a posse do presidente reeleito, Hugo Chávez.

Esperava-se que a presidente do órgão, Luisa Estela Moraes, desse a resposta sobre a interpretação constitucional às 9h desta quarta-feira. No momento, segundo informa o portal venezuelano Últimas Noticias, jornalistas aguardam a magistrada na sede do STJ. Nessa terça, o presidente de Assembleia Nacional, o chavista Diosdado Cabello, leu uma carta do vice, Nicolás Maduro, na qual Chávez pedia formalmente que a cerimónia de posse, prevista pela Constituição para o dia 10 de janeiro, fosse adiada para quando estivesse apto. Os governistas defendem que a Constituição vigente, redigida em 1999 já sob o chavismo, permite que Chávez, atual presente, possa jurar perante o STJ numa data futura, ato que configuraria uma mera formalidade. A oposição vê no adiamento a deturpação da ordem constitucional e pediu a ação da Organização dos Estados Americanos (OEA) e dos governos dos vizinhos latinos. O governo vê nessa atitude uma “conspiração da direita” que teria como único interesse a interrupção do governo de Hugo Chávez. Hoje o governo convocou uma “grande manifestação” em apoio ao presidente, exilado para tratamento médico em Cuba desde o dia 10 de dezembro do ano passado. Entre os presidentes latinos já confirmados para o dia da posse prevista de Chávez estão o uruguaio, José Mujica; o ex do Paraguai, Fernando Lugo (já em Caracas); e o boliviano, Evo Morales.