Sucesso da Feira Literária marca São Bernardo como cidade leitora

São Bernardo se transforma cada vez mais em uma cidade leitora. Prova disso é o sucesso de público e de venda de livros da terceira edição da Feira Literária de São Bernardo (Felisb), que aconteceu ao longo de outubro no município. Foram comercializados mais de 30 mil exemplares durante a feira realizada no Centro de Formação dos Profissionais de Educação (Cenforpe), no Bairro Planalto, de 14 a 17 de outubro.

A previsão inicial eram 10 mil. Durante os quatro dias, 20 mil pessoas passaram pelo local.Neste ano, além do evento no Cenforpe, a feira também foi realizada, de 4 a 28 de outubro, em 200 escolas da rede, que receberam açães de fomento à leitura como contação de histórias, apresentaçães, shows e atividades do programas Tempo de Escola e Expresso Lazer. “A feira foi mais que uma atividade educativa, se consolidou como um enriquecimento cultural”, disse o secretário de Educação.

Para Grace Pereira, chefe de Divisão de Incremento ao Ensino da Prefeitura, a ideia é que a Felisb vá além da sua proposta e se torne um movimento literário. “Desejamos que não se limite apenas ao seu período de realização bianual, mas que o incentivo à leitura seja permanente nas escolas”, explicou.

Grace explicou que este foi o primeiro ano em que o evento foi realizado diretamente pela Prefeitura …− nos outros foi organizado por contrataçães terceirizadas. Por isso, o conceito de construir uma cidade leitora já fez parte do planejamento inicial. “A intenção é mostrar o que está sendo feito nas escolas e o que pode ser ampliado para a comunidade”, explicou.

A Felisb também foi uma oportunidade para a reposição do acervo das escolas, já que nesta edição as editoras fizeram as vendas com descontos de até 50%, condição prevista no edital de chamamento público. Após balanço realizado entre as equipes gestoras da Secretaria de Educação e representantes das empresas, as editoras consideraram o resultado muito positivo.

“Mais do que um bom faturamento, a nossa atividade é ainda um negócio nobre porque contribui com a Educação”, disse José Pegola, proprietário das editoras Elementar e Canguru. O empresário levou para o evento cerca de três mil livros. “Vendemos mais do que 50%, um ótimo balanço”, disse. Habito de leitura da infância.

Outro que participou da Felisb, Aldo Souza, da Cortez Editora, afirmou que conseguiu um resultado melhor do que em feiras tradicionais. “Vendemos os 2,7 mil exemplares”, disse.

FONTE PMSBC