SP lança ‘pré-natal do homem’ para prevenir transmissão vertical de HIV e sífilis

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo acaba de lançar programa inédito, voltado aos homens, para ajudar a reduzir ainda mais a transmissão vertical (de mãe para filho) do HIV e a sífilis congênita. Chamado de “pré-natal do homem”, o projeto foi implantado inicialmente em 45 cidades paulistas e até 2014 deve estar em 190 municípios considerados prioritários.

O pré-natal voltado para o homem garante um espaço para que o pai possa procurar o serviço de saúde e participar de um momento que, historicamente, é da mulher. A medida surge como possibilidade para aumentar o acesso às unidades de saúde e ao tratamento das DST, propiciar maior participação no momento da gestação, ampliar a discussão sobre prevenção às DST/Aids e outras doenças ligadas à saúde do homem. As consultas podem ser realizadas nos serviços públicos que já fazem o atendimento do pré-natal feminino. “Uma vez confirmada a gravidez, a gestante é acolhida pelo serviço de saúde, seus exames de rotina solicitados e marcada a primeira consulta do pré-natal, onde são entregues os resultados dos exames. Simultaneamente, a unidade de saúde convida o parceiro da gestante para um atendimento individual”, afirma Ivone de Paula, gerente da área de prevenção do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids, na capital, que oferece o “pré-natal do homem”. Na consulta são ofertados os exames para sífilis e HIV, além de aconselhamento para a prevenção das DST, informando sobre as possibilidades de risco e práticas sexuais seguras. Na sequência, é agendada nova consulta, para entrega dos resultados e aconselhamento pós-teste, além de orientaçães necessárias com relação à saúde dos pais e do bebê. Estudos brasileiros demonstraram que a taxa de transmissão vertical (mãe para filho) do HIV era de 16% em 1997 e de 7% no ano de 2002. Já no Estado de São Paulo, a taxa de transmissão era de 2,7% em 2006. Esta queda se deve ao diagnóstico precoce e à introdução da terapia antirretroviral como prevenção durante a gestação. Um dos maiores entraves para a eliminação da sífilis congênita é a dificuldade de tratar os parceiros sexuais das mulheres grávidas que tem a doença diagnosticada. A doença pode causar aborto, má formação ou morte do bebê, além de sequelas como cegueira, surdez e deficiência mental. “Habitualmente, o homem só procura os serviços de saúde quando já está doente ou recorre a farmácias para cuidar de sua saúde. Quando o assunto envolve doenças sexualmente transmissíveis e sexualidade, a situação torna-se ainda mais delicada”, diz Maria Clara Gianna, coordenadora do Programa Estadual DST/Aids-SP.