São Bernardo paga merendeiras e evita risco de paralisação nas escolas

Após firmar acordo com o Seerc (Sindicato dos Empregados nas Empresas de Refeiçães Coletivas e Merenda Escolar), a Prefeitura de São Bernardo garantiu, mesmo diante da crise financeira da empresa terceirizada ERJ Alimentação e Restaurante, o pagamento dos salários e também dos benefícios atrasados as 650 merendeiras da cidade. Em assembleia realizada na última segunda-feira (15), a categoria descartou a possibilidade de greve.

Como a empresa está em situação de “recuperação judicial”, a Administração irá depositar os salários e benefícios não pagos pela ERJ diretamente na conta das merendeiras.

De acordo com o secretário de Educação, Paulo Dias (PT), o objetivo do acordo foi cumprido: garantir o pagamento das merendeiras e não prejudicar os alunos.

“Foi uma determinação do prefeito resolver o impasse e não deixar as merendeiras sem salário. Por isso, antecipamos o pagamento que iríamos fazer à empresa no fim deste mês e vamos quitar diretamente na conta das trabalhadoras. As conversas continuam para evitar novos atrasos”, disse o secretário. O presidente do Seerc, Genivaldo Barbosa da Silva, aprovou o acordo. “Foi importante o apoio da Prefeitura neste processo. Foi um passo importante e agora é preciso acompanhar para evitar novamente os atrasos.” De acordo com o secretário de Educação, o repasse mensal de R$ 2,1 milhães está em dia junto à empresa. A companhia terceirizada está com dificuldades financeiras; uma nova licitação será realizada pela Administração.