Quem pegou o meu mel?

As abelhas, são conheácidas dos homens há mais de 40 mil anos, vivem em sociedades com funçães definidas para cada indivíduo.

Predominantemenáte uma sociedade feminina, onde o macho, chamado de zangão, tem a função apenas de copular a abelha rainha, após o que, no fim do verão ou quando existe pouco mel na colmeia, são expulsos para morrer de fome e aqueles que não saem da colmeia são trituárados pelas operárias.

As abelhas operárias, viávem para um único objetivo a sobrevivência de si e da colámeia. Em uma comunidade, podem existir entre 60 e 80 mil indivíduos, sendo uma única abelha rainha, 400 zanágães e o resto são operárias.

A Metáfora entre seres huámanos e abelhas

Imagine se houvesse uma colméia onde as abelhas agisásem igual aos SERES HUMAáNOS? Vamos imaginar…¦

Naquela manhã, antes das operárias saírem para o trabalho, um pequeno gruápo se reunia próximo a um dos 400 zangães da colónia, aquele que havia nascido sem asas e que por sua deáficiência jamais iria realizar o voo nupcial para copular a fêmea, ele sabia que seu fim estava próximo, mesmo asásim, revoltado com vida reásolveu semear novas ideias entre seus semelhantes.

“- Uma abelha produz 5 gramas de mel por ano, apeánas 5 gramas, mas vão morrer em apenas 28 dias. No final da primavera, toda a nossa produção servirá no máximo para um pote de 500 g, que se for encontrado por um ser humano será misturado com produtos químicos e vendido a preço de banana…¦”

“Nossa função na comuánidade é nobre, cada comuánidade capaz de produzir 1 kg de mel fecunda 5 milhães de flores, qual é o meu recado para vocês? …− Vamos separar uma parte de nosso mel mais nobre para poupar e guardar …− sozinhas somos frágeis, uniádos somos fortes.”

Após esse discurso, digno de qualquer sindicalista, miálhares de operárias saíram de suas colmeias, deixando a raiánha para traz.

Durante o trabalho incanásável, as abelhas trocavam olhares entre si, e através de feromónios as ideias surgiam e as dúvidas também.

“Por que eu vou poupar se só vou durar 28 dias?”

“28 dias é o tempo total da minha vida, mas minhas irmãs viverão mais confortáveis, se eu poupar.”

E a ideia pegou, de um dia para o outro 60mil abelhas começaram a reservar uma porcentagem de sua labuta para a poupança.

Começam os problemas

Claro, literalmente nem tudo podia ser flores naquela colmeia, as operárias acosátumadas a trabalharem sob medida justa, começaram a sentir que em suas moradias individuais, suas células coámeçavam a esfriar porque começava a faltar cera, em outras o mel era insuficienáte. Enquanto isso, o Zangão que controlava os fundos das abelhas nadava na riáqueza de mel, pólen e cera, foi começando a controlar o que chamava de FUNDO PERDIDO. Ora se ele só seria condenado à morte no final da primavera, e se cada abeálha morria a cada 28 dias, e as abelhas não deixavam herdeiros, o que sobrava era dele.

Quando a abelha rainha deu por si, o império estaáva ameaçado, as abelhas já deviam muitas jornadas de trabalho ao zangão, a reseráva deste era quase a reserva da colmeia inteira, que senátia agora o reflexo da falta de mel, própolis e não havia mais o que fazer a não ser acordos que preservassem a vida e a fortuna do zangão esperto e a sobrevivência da colmeia.

Mas quem vai pagar a conáta? Afinal de contas lembram-se que no início eu havia dito que o zangão era esperto e pensava com a cabeça dos seres humanos? Portanto, ele não celebrou apenas um trato simples com a rainha, mas um acordo financeiro baseado nas taxas de juros de 8% ao mês e a variação sobre a taxa Selic.

Um novo dia começa…¦

Cerca de 60 mil novas abeálhas mal nutridas se preparam para mais uma nova jornada de trabalho, sabem que para produzir a mesma coisa que suas antigas irmãs, agora preácisam produzir 27,5% a mais, o que nem todas conseguem, causando agora diferença nas camadas de sua comunidade.

“Você viu querida o que aconteceu com a Belinha Saálete Lemos ontem? “

“Não, o quê?”

“Foi demitida porque falou mal do zangão?”

“Pois é e nossa rainha aináda pretende impor a CPMF.”

“CPMF (Contribuição Proávisória do Mel sem Ferrão). Não e