Processo contra Berlusconi por prostituição é suspenso

O tribunal de Milão anunciou nesta segunda-feira a suspensão do processo Rubygate, ao mesmo tempo em que o Tribunal de Cassação se pronunciou por uma demanda de recusa apresentada pela defesa de Silvio Berlusconi, fixando a próxima audiência para o dia 22 de abril.

As três magistradas do processo Rubygate, no qual o Cavaliere, de 76 anos, é acusado de prostituição de menores e abuso de poder, decidiram esperar para que a mais alta instância penal se pronuncie sobre uma demanda de recusa formulada contra uma delas. O Tribunal de Cassação foi solicitado pela defesa do ex-chefe de governo em dois casos que pede para que sejam transferidos de Milão a Brescia (norte): o Rubygate e o processo de apelação do Mediaset por fraude fiscal. O Tribunal as examinará no dia 18 de abril. Baseando-se em uma lei adotada em 2003 pelo governo Berlusconi da época, os advogados do Cavaliere invocam “a legítima suspeita” sobre várias magistradas milanesas acusadas de terem “criado um clima hostil” ao seu cliente. Neste processo, que começou em abril de 2011, Berlusconi é acusado de ter remunerado entre janeiro e maio de 2010 por uma dezena de serviços sexuais uma jovem marroquina, Karima El-Mahroug, apelidada de “Ruby Rouba-Coraçães”, menor na época, crime castigado com a prisão na Itália, razão pela qual pode ser condenado a três anos de prisão.