Preços de alimentos recuam

Os preços globais dos alimentos recuaram 2,4% em dezembro, informou a Organização das Naçães Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), citando a queda acentuada dos ceáreais, do açúcar e dos óleos vegetais devido às safras abundantes e à menor proácura.

Os cereais registraram o maior declínio em dezemábro devido às safras recorádes e à melhora da persápectiva de oferta, com o indicador de preços da FAO caindo 4,8% no período. As cotaçães do milho recuaáram 6%, as do trigo 4% e as do arroz 3%, revelou a agênácia.

A expectativa de uma grande oferta excedente de açúcar com boas colheiátas na Índia, União Euroápeia (UE), Tailândia e Rússia pressionaram as cotaçães da commodity. O indicador dos preços do açúcar caiu pelo quinto mês consecutiávo em dezembro.

A fraca procura mundial por soja e as ofertas acima do esperado de óleos vegeátais provocaram um aumenáto dos estoques, especialámente dos óleos de palma e de girassol, informou a FAO, órgão da ONU, dirigido pelo brasileiro José Graziano.

A agência, no entanto, disse ser difícil fazer qualáquer previsão sobre as tenádências de preço para os próximos meses.

“Os preços internacioánais recuaram nos últimos meses, mas levando-se em conta as incertezas sobre a economia mundial, o câmábio e os mercados de enerágia, teremos perspectivas imprevisíveis pela frente”, explicou Abdolreza Abbasásian, economista sênior de grãos da organização.