Norte-americanos lembram atentados de 11 de setembro

Mais uma vez os norte-americanos fizeram uma pausa para lembrar o 11º aniversário dos atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001. Como nos anos anteriores, milhares de pessoas se reúnem nas proximidades do local onde ficava o World Trade Center, em Nova York, no Pentágono, na Virgínia, e em Shanksville, Pensilvânia, para ler os nomes das cerca de 3 mil vítimas mortas nos piores ataques terroristas da história dos Estados Unidos. O presidente Barack Obama participou do serviço memorial em Washington e o vice-presidente Joe Biden esteve presente no evento realizado na Pensilvânia.

Mas muitos sentem que o 10º aniversário, lembrado no ano passado, foi o momento para deixar de lado o luto pelos ataques. Pela primeira vez, autoridades eleitas não discursarão durante a cerimónia, o que geralmente permite a eles voltar aos holofotes, mas levanta questães sobre as memórias públicas e privadas dos ataques. Milhares de pessoas participaram das cerimónias em Nova York nos anos anteriores, mas menos de 500 familiares estiveram presentes no local na manhã desta terça-feira. O presidente Barack Obama e a primeira-dama Michelle Obama participaram da cerimónia no Pentágono e vão visitar soldados feridos no Centro Médico do Exército Walter Reed. Biden e o secretário do Interior Ken Salazar discursaram no memorial do Voo 93, perto de Shanksville, no local onde o avião sequestrado da United Airlines caiu.