Na contramão do ABC, S. Caetano registra queda na criminalidade

A criminalidade em São Caetano está em queda. A constatação é originária do balanço da violência divulgado nesta semana pela Secretaria de Segurança Pública do Estado. Os dados colocam o município como o único a registrar retração do crime entre os sete que formam o Grande ABC. Também indicam o sucesso das políticas para o setor desenvolvidas pela atual administração no primeiro bimestre de 2013.

O levantamento foi baseado em nove delitos: homicídio, latrocínio, roubo, furto, roubo de veículo, furto de veículo, roubo de carga, estupro e assalto a banco. Nos primeiros dois meses deste ano, São Caetano foi a única cidade da região em que a soma destes crimes recuou em relação ao primeiro bimestre de 2012. Foram 759 ocorrências no ano passado, contra 742 em 2013, queda de 2,24%. Em janeiro e em fevereiro não foram registrados nenhum homicídio ou latrocínio (roubo seguido de morte) no município. Outro índice que não saiu do zero no período foi assalto a banco. Outro destaque do levantamento é com relação ao roubo de veículos, que despencou 40%. Foram 119 casos registrados em São Caetano no primeiro bimestre de 2012 contra somente 71 neste ano. Para o prefeito Paulo Pinheiro, os índices comprovam que o esforço do governo em combater a violência tem surtido efeito já no início da administração. O chefe do Executivo estabeleceu Segurança, Saúde e Educação como prioridades de sua gestão. A definição ocorreu ainda durante a campanha eleitoral, em compromisso para atender às principais reivindicaçães da população. “Estamos empenhados em reduzir a criminalidade gradativamente para estabelecermos definitivamente a paz em São Caetano. Ainda não chegamos aos índices ideais, mas trabalhamos em conjunto com a Polícia Militar e a Polícia Civil para que a nossa cidade seja referência em Segurança”, ressalta o chefe do Executivo. Parcerias com as polícias já são frequentes neste início de administração. Estreitar o trabalho da Prefeitura junto ao das forças estaduais foi um dos tópicos inseridos no plano de governo de Paulo Pinheiro para combater a criminalidade.