Juventude brasileira é desafio para o governo

O ministro-chefe interino da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) e presidente do Instituto de Pesquisa Económica Aplicada (Ipea), Marcelo Neri, apontou a juventude como um dos principais desafios do país, além de ser a “agenda mais importante, no sentido de traçar o futuro da nação”. Para ele, a população jovem (entre 15 e 29 anos, segundo classificação das Naçães Unidas), que soma 51 milhães de brasileiros, “é e será” a maior da história do país.

O ministro, no entanto, chama a atenção para o fato de que, se essa juventude representa hoje uma força de trabalho que pode beneficiar a produtividade e a produção, há que se aproveitar o momento para gerar riquezas a fim de evitar futuros problemas para a Previdência Social, quando a geração de jovens começar a se aposentar. Esse “bónus demográfico”, disse o ministro, durará até 2022, ano em que o Brasil celebrará 200 anos de independência. “A partir daí a juventude vai começar a diminuir quantitativamente e a colocar novos desafios. Por isso é muito importante aproveitarmos essa onda jovem. Como vem desde 2003 e vai até 2022, eu diria que é mais do que uma onda, é uma pororoca jovem.”, afirmou.