Impeachment de Dilma cria ‘precedente perigoso’ para futuro do Brasil, diz Oliver Stone

O cineasta americano Oliver Stone diz acreditar que o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff cria um “precedente perigoso” para o futuro do Brasil. “Quando há um golpe político como o que houve no Brasil, por uma questão relativamente menor, você não colhe nenhum benefício”, afirmou.

“Logo que você abre esse precedente e retrocede a um tipo de pensamento político totalmente diferente, você cria um precedente perigoso para o futuro”, acrescentou. Stone conversou com a BBC Brasil durante o último Festival de Cinema de Zurique, onde promoveu seu novo filme, Snowden ─ Herói ou Traidor, que estreia no Brasil no mês que vem. No longa, o diretor recria o momento em que o ex-funcionário da Agência Nacional de Segurança Americana (NSA, na sigla em inglês) se apresenta aos repórteres do jornal britânico The Guardian em Hong Kong, na China, e revela detalhes da espionagem utilizada pelo governo americano. O filme dramatiza também a história de como o americano, anteriormente um republicano patriota que se alistou para lutar na guerra do Iraque, se voltou contra o governo. Edward Snowden é vivido pelo ator Joseph Gordon-Levitt. Censura Aos 70 anos, o diretor …− que é famoso por filmes políticos, como a trilogia sobre JFK, George W. Bush e Nixon, além de vários documentários sobre ícones da esquerda latino-americana, como Hugo Chávez e Fidel Castro …− defendeu o papel de denunciantes como Snowden. “Denunciantes de uma forma geral são importantes para uma sociedade saudável. Eles geralmente não se dão bem e as penalidades contra eles são muito severas”, assinalou. “Um caso famoso foi o denunciante da indústria do tabaco. Foi por causa dele que as pessoas finalmente acordaram para o mal do tabaco e da sua indústria corrupta”, disse Stone. O diretor também falou sobre a dificuldade de fazer seu filme sobre o ex-funcionário da NSA. “Fazer este filme foi um drama tão grande quanto o retratado pelo filme”, explicou. “Eu acho que há um fator de medo de censura do governo no momento. E acho que muitas empresas não quiseram patrocinar o filme ou não quiseram estar envolvidas com ele por que o longa destaca uma figura controversa como o Snowden”, acrescentou. Abalo diplomático As revelaçães de Edward Snowden, em 2012, revelaram a espionagem que a NSA fez em emails e telefonemas da ex-presidente Dilma Rousseff, causando mal-estar diplomático entre o Brasil e EUA na época. Dilma chegou a cancelar uma visita de Estado que faria aos EUA naquele ano. “Snowden mostrou como o governo americano pode ser perigoso sendo seu aliado. Eles se declararam aliados do Brasil, mas têm vigiado a Petrobras e participaram de espionagem industrial pelo mundo. A Petrobras é uma companhia gigantesca e o governo americano está muito interessado”, disse ele. Sobre o impeachment, o cineasta criticou as classes dominantes no Brasil. “Há uma certa classe que vive no Brasil que continua a mesma, arrogante. Eles acham que são donos do mundo e que têm o direito de fazer o que quiserem com o povo, ou que o povo não sabe nada”, afirmou. “Não sou um especialista em assuntos brasileiros. No Brasil, Lula foi bem sucedido e popular. E, aparentemente, Dilma não foi uma boa presidente”, ressalvou. “Ela cometeu erros na condução de seu mandato.” Sul da Fronteira Stone conheceu o ex-presidente Lula pessoalmente, entre outros líderes da América Latina, durante as gravaçães do documentário Ao Sul da Fronteira (2009), sobre os líderes políticos da região. Questionado sobre a situação do petista, que se tornou réu pela segunda vez na Lava Jato, após o juiz federal Sergio Moro aceitar denúncia do Ministério Público Federal, o cineasta afirmou que “qualquer coisa pode acontecer”. “Lula é um homem inteligente e gentil e com sorte ele vai evitar tudo isso. Mas eu não sei quais são as novas regras no Brasil no momento. Aparentemente qualquer coisa pode acontecer”, disse.

FONTE BBC