Diadema realiza diagnóstico de hanseníase nesta quarta-feira

Pessoas que têm manchas na pele com ou sem alteração de sensibilidade poderão procurar, nessa quarta-feira (22/10), das 8h às 11h30, o Quarteirão da Saúde para realizar o reconhecimento da doença. A ação, desenvolvida pela Secretaria de Saúde de Diadema, tem como base a avaliação das pessoas para dar início ao tratamento.

No município, no ano passado, foram registrados dez casos de hanseníase, sendo sete novos. Já em 2015, até o momento, foram diagnosticadas duas novas ocorrências da doença e três casos reincidentes, ou seja, pessoas que realizaram o tratamento, mas voltaram a apresentar a enfermidade.

O atendimento da ação será realizado em um dos consultórios do Quarteirão da Saúde com especialistas que farão avaliaçães para um diagnóstico precoce e, assim, interromper a cadeia de transmissão da hanseníase e diminuir o número de pessoas doentes.

Nos casos em que a suspeita da doença for confirmada durante o exame clínico, os pacientes farão um novo agendamento para avaliação no Ambulatório de Hanseníase, onde poderão realizar exames mais específicos, além de avaliaçães nos ambulatórios de oftalmologia e de fisioterapia iniciando tratamento conjunto nessas especialidades quando recomendado pelos especialistas.

Como o contágio se dá através do doente, que elimina a bactéria pelas vias aéreas superiores (boca e nariz), em um contato direto e prolongado, é importante ressaltar que pessoas que convivem com enfermos devem realizar a avaliação clinica, pois assim poderá ser feito um diagnóstico e, se necessário, início de tratamento.

A doença

A doença é causada pela bactéria Mycobacterium leprae, que ataca, na maioria das vezes, pele e nervos. As manchas com perda de sensibilidade ao calor, frio, dor ou toque são as características principais da hanseníase. Elas podem ocorrer em qualquer região do corpo, porém com mais frequência em face, olhos, orelhas, nádegas, pernas e costas. Se não for tratada, podem ocorrer lesães nos nervos que causam dor, inflamação e diminuição ou perda da força muscular, levando a incapacidades e deformidades. Outros sintomas são sensação de formigamento, fisgadas ou dormência nas extremidades; áreas da pele que apresentem alteração da sensibilidade e da secreção de suor, entre outros.

O tratamento

Atualmente, em Diadema, treze pessoas estão em acompanhamento, porém, mesmo após a alta, diversos pacientes retornam ao Ambulatório de Hanseníase por queixas como feridas ou reaçães.

O tratamento, de seis ou doze meses, eventualmente mais longo dependendo do critério médico, é feito com medicamentos. Nos casos em que a doença deixa ferida como sequelas são usados curativos.

Além disso, sessães de fisioterapia são instituídas quando necessário, assim como tratamento e acompanhamento oftalmológico.

Serviço:

22 de outubro de 2015

das 8h às 11h30

Quarteirão da Saúde …− Rua António Piranga, 700

FONTE PMD