Curso de atualização para técnicos da rede de saúde tem como tem Sífilis

A Secretaria de Saúde, por meio do Núcleo de Gestão de Cuidado da Atenção Básica, realizou o curso de atualização em sífilis congênita e na gestação, para 46 profissionais da rede municipal. A ação ocorreu na sexta-feira (24), na Sala da Comunidade da Unidade Básica de Saúde do Jardim Kennedy. A sífilis é uma doença infecciosa que pode atingir vários órgãos e de evolução lenta e longa, sujeita a surtos de agudização e de latência, com transmissão predominantemente sexual ou materno-infantil.

O objetivo é reduzir o número de ocorrências, que desde 2011 somam 72 casos. Sendo oito casos registrados de sífilis contraída no nascimento e 20 notificaçães em grávidas, de janeiro a junho de 2015.

Divididos em duas turmas, “os técnicos tiveram atualização nas informaçães sobre os protocolos de atendimento e prevenção para sífilis em recém-nascidos e gestantes, de acordo com o que preconiza o Ministério da Saúde. Assim, as açães passam a ser padrão em todos os serviços municipais, desde o diagnóstico, fluxos de trabalho, tratamento e acompanhamento”, explicou a médica Samira Haddad.

O diagnóstico precoce e o tratamento do parceiro são fundamentais para evitar a transmissão. A gestante deve iniciar o tratamento e finalizá-lo com a comprovação de cura através de sucessivos exames sorológicos até no máximo 30 últimos dias antes do parto.

“Em Mauá, o teste treponêmico está disponibilizado em todas as unidades de saúde desde 2014, quando o município aderiu ao Programa Rede Cegonha, do Governo Federal”, explicou a gerente do Núcleo de Atenção Básica, Iacy Milllone.

Um dos obstáculos identificados para a erradicação da sífilis no Brasil, como pactua a Organização Mundial da Saúde (OMS) para até 2015, é que os parceiros se submetam ao tratamento com penicilina. Recentemente, Cuba comemorou a erradicação da doença. Isto facilita para que a gestante possa iniciar o tratamento de forma eficiente no máximo até os 30 últimos dias antes do parto.

FONTE PMM