Construção do Hospital de Urgência de São Bernardo começa neste ano

Em substituição ao Hospital e Pronto-Socorro Central (HPSC), a Prefeitura irá construir um novo hospital para o atendimento de urgências e emergências do município. As obras do Hospital de Urgência (HU) deverão ter início em agosto e serão custeadas integralmente com recursos de empréstimo contraído junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O anúncio foi feito pelo prefeito na última quarta-feira (18) em solenidade realizada no Teatro Cacilda Becker.

A secretária de Saúde fez uma apresentação sobre o projeto arquitetónico do HU, ressaltando que a construção desse novo hospital é necessária porque o HPSC é um prédio com mais de 43 anos, que não comporta mais ampliaçães ou adequaçães em sua estrutura.

Em 2010, a atual administração promoveu reforma no PS Central, que incluiu pintura externa e interna, troca de piso, substituição de equipamentos e móveis, ampliação do número de leitos e uma série de outras adaptaçães para melhorar as condiçães de trabalho dos profissionais de saúde e de conforto aos pacientes e familiares. “Entretanto, não há mais como melhorar as condiçães do PS. O hospital não tem centro cirúrgico, os espaços são pequenos, a rede elétrica é muito antiga, enfim, só um novo prédio poderá qualificar o atendimento de urgência e emergência”, afirmou a secretária, lembrando que o HPSC é a unidade hospitalar que recebe a maior demanda de usuários da cidade, cerca de 900 pessoas por dia. O novo hospital será erguido na área contígua ao atual HPSC, em terreno delimitado pelas ruas Joaquim Nabuco, Secondo Modolin e Cacilda da Cruz Ferreira. A entrada principal será pela Rua Joaquim Nabuco e as ambulâncias terão acesso pela Rua Secondo Modolin. O novo prédio terá 17.500 m2 de área construída, enquanto o atual edifício do PS tem apenas 5 mil m2. Além disso, o projeto prevê a construção de uma praça que irá acomodar adequadamente o ponto de ónibus e a área reservada aos táxis.

A secretária de Saúde explicou que o PS Central continuará funcionando normalmente durante o período de obras. A primeira etapa será a demolição do imóvel que fica na Rua Joaquim Nabuco, hoje ocupado por uma base do SAMU e pelo Serviço de Transporte Sanitário. Quando o novo prédio estiver concluído, todos os serviços do atual HPSC serão transferidos para lá. O atual prédio do PS Central, por sua vez, provavelmente abrigará a sede administrativa da Secretaria de Saúde.

A Prefeitura irá abrir uma licitação pública internacional em 1º de julho e, caso não ocorram recursos no processo licitatório, a previsão é que as obras comecem já em agosto, com prazo de conclusão estimado em 24 meses.

O projeto do HU prevê a construção de um edifício de sete pavimentos (térreo mais seis andares), além de um prédio auxiliar para abrigar uma base do SAMU. Contará ainda com três salas cirúrgicas e um total de 226 leitos de internação, sendo 20 de UTI adulto e 10 de UTI pediátrica. O pronto atendimento do novo hospital terá ainda 40 poltronas. Segundo Odete Gialdi, o número de leitos do novo hospital será 46% superior à capacidade atual do HPSC.

Referência em arquitetura …− Elaborado pelo escritório SPBR Arquitetos, sob a coordenação do arquiteto Ângelo Bucci, o projeto arquitetónico do HU preocupa-se com a sustentabilidade e a humanização dos ambientes. Nesse sentido, o edifício privilegia a iluminação e a ventilação natural, além de contar com recepçães amplas e esperas distintas dos pacientes pediátricos e adultos por caminhos diferentes.

O projeto arquitetónico do Hospital de Urgência de São Bernardo foi o único do Brasil a ser selecionado para o respeitado catálogo de arquitetura Global Architeture Document, de 2015, editado no Japão. Esse catálogo reúne 30 projetos arquitetónicos do mundo inteiro, que apresentam propostas inovadoras na área de arquitetura.

O arquiteto Ângelo Bucci, que compareceu à cerimónia no Teatro Cacilda Becker, disse que a elaboração do projeto foi precedida de sucessivas reuniães com os diretores do Complexo Hospitalar e depois exclusivamente com as equipes do Pronto-Socorro Central para que os profissionais indicassem suas necessidades. “A nossa pretensão é que o projeto do Hospital de Urgência contemple os anseios desses profissionais e que eles se reconheçam no novo prédio.” O prefeito ressaltou que a construção do Hospital de Urgência e posteriormente do Hospital da Mulher são as últimas demandas pendentes do Orçamento Participativo. “Lembro que entre 2009 e 2011, a maior demanda da população era na área da saúde. Nossa adminstração encontrou uma rede de saúde que era uma vergonha, horrorosa, com prédios caindo aos pedaços, sem condiçães de atender decentemente a população”, disse.

O chefe do Executivo afirmou que a assinatura do contrato de financiamento com o BID e a divulgação do projeto arquitetónico eram acontecimentos que o deixaram muito feliz. “Para aqueles que duvidam que a nossa administração ainda possa construir um novo hospital, asseguro que esse é um caminho sem volta. Já temos os recursos para a construção e o edital será lançado em julho. É uma alegria enorme ver tudo isso se concretizando.”

O empréstimo com o BID no valor de 59 milhães de dólares foi assinado pelo prefeito na terça-feira, em Brasília, e envolve não só a construção do HU, como a construção do Hospital da Mulher, que substituirá o atual Hospital Municipal Universitário (HMU), e a conclusão do processo de informatização de toda a rede pública de saúde. Para a construção e compra de equipamentos para o HU serão investidos 38,9 milhães de dólares (cerca de 136 milhães de reais), com recursos integrais do BID. Já para o Hospital da Mulher e a informatização estão previstas contrapartidas do município, que também buscará recursos junto aos governos estadual e federal.