Cientista esconde mensagem em carta de renúncia a Trump

Um dos três enviados científicos do Departamento de Estado dos Estados Unidos renunciou publicamente nesta quarta-feira após os mais recentes comentários do presidente Donald Trump sobre a violência provocada por supremacistas brancos em Charlottesville.

Daniel Kammen, professor da Universidade da Califórnia em Berkley, disse em carta publicada em sua conta no Twitter que Trump fracassou em condenar os supremacistas brancos e neonazistas, parte de “um padrão mais amplo de comportamento que possibilita sexismo e racismo e desconsidera o bem-estar de todos os americanos, da comunidade global e do planeta”.

Trump disse a repórteres na semana passada que “ambos os lados” eram culpados pela violência entre supremacistas brancos e contramanifestantes na Virgínia em 12 de agosto, e disse que havia “pessoas muito boas” entre as que participaram na manifestação nacionalista branca.

Em sua carta, Kammen também criticou a decisão de Trump de deixar o Acordo Climático de Paris e deixou uma mensagem oculta: as primeiras letras de cada parágrafo do texto formam a palavra “IMPEACH”, em referência a um pedido de impeachment do presidente.

Kammen e a Casa Branca não responderam a pedidos de comentários de jornalistas. A porta-voz da Casa Branca Julia Mason disse que Kammen “tomou uma decisão pessoal de renunciar”.

Os enviados científicos trabalham como voluntários não remunerados para o governo americano e se dedicam a projetos das áreas de ciência, tecnologia e engenharia. Também atuam mantendo relaçães e trocando experiências com autoridades científicas governamentais e não governamentais ao redor do mundo.