Chuvas elevam preço de hortifrútis, e cesta básica fica mais cara

O preço da cesta básica no ABC caminha rapidamente para atingir o patamar de R$ 600 …− o anterior, de R$ 500, foi superado no ano passado. Pesquisa realizada pela Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André (Craisa) mostra que o conjunto de 34 itens essenciais ficou 2,38% mais caro nesta semana devido as chuvas, ante o levantamento anterior, feito entre os dias 7 e 13 deste mês.

Com isso, a cesta básica passou a custar, em média, R$ 546,68 nos supermercados da região, o que significa custo adicional de R$ 12,71 para adquirir o conjunto de produtos essenciais.

Na variação semanal, houve aumento nos quatro grupo de produtos: alimentícios (2,59%), higiene pessoal (0,94%), limpeza doméstica (1,36%) e hortifrutigranjeiros (1,92%), aponta a pesquisa.

Dos 34 produtos pesquisados, 26 registraram alta, com destaque para banana (12,08%), alface (9,78%), caráne bovina de 1ª (7,86%) e feijão carioca (7,01%). “A alta foi determinada pelas fortes chuvas que caíram no início de março e se refletiram nos preços de alguns hortifrúti, como banana e alface, mas também nos preços da carne bovina e do feijão”, explicou Fábio Vezzá de Benedetto, engenheiro agrónomo da Craisa e responsável pela pesquisa.

No sentido contrário, outros quatro produtos apresentaram queda nos preços. São os casos de tomate (1,69%), bolacha salgada cream cracker (1,13%), detergente (0,84%) e batata (0,21%). Entretanto, a maior parte desses produtos, tem pouco peso na composição da cesta básica.

IGP-M A segunda prévia de março do Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), utilizado no reajuste de contratos de aluguel, registrou inflação de 0,43%. O resultado é inferior ao da segunda prévia de fevereiro (1,24%), segundo números divulgados na última sexta-feira (18) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). A queda do IGP-M foi provocada tanto por recuos na inflação do atacado quanto no varejo.