China pede fim “imediato” dos confrontos no Sudão

A China pediu para que todas as partes envolvidas no conflito no Sudão do Sul, à beira de uma guerra civil, parem com os confrontos, no mesmo dia em que o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade dobrar o número de pacificadores no país africano. O Ministério das Relaçães Exteriores chinês pediu o fim “imediato das açães hostis” e o início de negociaçães para uma solução.

A violência começou na capital do Sudão do Sul, Juba, em 15 de dezembro e se espalhou pelas regiães produtoras de petróleo e além, dividindo o país de dois anos de idade, o mais novo do mundo, em linhas étnicas. Aproximadamente 45 mil civis buscam proteção nas bases das Naçães Unidas. O conflito afetou a produção de petróleo, que corresponde a cerca de 98% de todas as receitas do país. A China precisou evacuar alguns dos funcionários de sua empresa petrolífera, uma das maiores investidoras no Sudão do Sul.